27
jul

Volume 5 – Como identificar a obediência atrasada e a obediência virtuosa

 

Compreendemos por obediência o ato de cumprir um dever com prontidão, o que também inclui a capacidade de ouvir. Em muitas situações, a obediência é utilizada como um sinônimo de pessoas que sabem se comportar e se mantém quietas, sem reclamar ou questionar nada.

No entanto, o ato de obedecer é  bem mais que um adjetivo para classificar comportamentos. A prática da obediência necessita ser vivenciada como uma VIRTUDE. Isso porque as virtudes revelam nossos valores éticos que levam à prática do bem, tendo como resultado escolhas valorosas.

É um sério problema viver e ensinar a obediência  apenas como um adjetivo ou um comportamento, e não como uma virtude. Um adjetivo pode ser direcionado à qualquer pessoa ou coisa como um qualificador, já a prática da virtude é como um espelho da alma, que revela quem de fato somos.

Dessa maneira, podemos pensar em duas concepções a respeito da obediência: a obediência atrasada e a obediência virtuosa.

 

OBEDIÊNCIA ATRASADA

 

Obediência atrasada é aquela que deixa a ação para depois e está vinculada à procrastinação. Por isso, é o mesmo que a desobediência.

O medo é frequentemente utilizado como um recurso, em tom de ameaça, para que o dever seja cumprido: “Se você não fizer agora… vai se ver comigo!”.

O problema do desobediente é que ele sempre é forçado a assumir suas obrigações. Por isso, o aprendizado da virtude fica comprometido e desse vício, ou mau comportamento, se originam as irresponsabilidades, desmazelos e indisciplinas.

 

OBEDIÊNCIA VIRTUOSA

Já a obediência virtuosa é uma ação que tem como principal referência o exemplo familiar, sendo consolidada no ambiente escolar e nas relações sociais.

Nesse caso, o ato de obedecer não está vinculado às recompensas, nem a qualquer tipo de castigo. A obediência é um consentimento, não um ato de severidade.

Por isso, uma obediência verdadeira e virtuosa se faz na prática: só aprendemos a obedecer… obedecendo!

Filhos devem obedecer aos pais não porque receberão alguma recompensa ou punição, mas porque os pais são dignos de tal obediência e devem ser ouvidos e respeitados. O mesmo se aplica à sala de aula e às relações de trabalho.

Uma necessidade de nossas famílias neste contexto atual é passar de uma obediência atrasada para uma obediência virtuosa.

Vale ressaltar uma palavra da antiga sabedoria hebreia, que se apresenta como um imperativo válido a respeito da obediência: “Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele.” (Pv 22,6).

Sejamos sábios. Sejamos obedientes.

Clique AQUI e baixe agora as sugestões de atividades para aluno e família!

 

Tiago de Freitas Lopes

 

 

 

Nossos clientes

Conheça alguns de nossos clientes e parceiros, que decidiram mudar o futuro! Venha fazer parte do mundo Bene:)